Aulas para grupos, palestras para empresas, carta de vinhos e treinamento para restaurantes e lojas. Elaboração de cardápios para harmonização enogastronômica. Coordenação de eventos: degustação de vinhos, serviço do vinho, feiras e jantares harmonizados.

6 de novembro de 2008

Argentina

Gastamos as nossas milhas em um final de semana em Buenos Aires, confesso que fiquei muito surpresa com a cidade, as construções são bem no estilo européia altas bem conservadas, mas com as calçadas no estilo tupiniquim, um horror pro meus saltos agulha!
O que me chamou muito a atenção foi as lojas de vinho, só tinha vinho argentino!!!! Por que o espanto? Porque que achei o máximo esse nacionalismo, quem dera se no Brasil tivéssemos essa mesma facilidade para encontrar os nossos próprios vinhos.
Não vou discutir a qualidade do vinho argentino em vista do vinho nacional, mas ainda não sei porque no futebol todo mundo odeia a Argentina e na questão dos vinhos nada melhor do que um Malbec. Já ouvi dizer que para não errar, basta pedir um malbec argentino... enfim, heresias à parte e quem disse isso não sabia o que estava falando e vinho malbec NÃO combina com camarão!!!!
E logo depois que voltamos fomos numa degustação da Wines of Argentina e conheci a enóloga supra sumo Susana Balbo, nada mais justo do que dedicar a postagem de hoje para nossos "hermanos".

REGIÃO NORTE

Salta
A região de Salta começou com a viticultura na época dos conquistadores espanhóis, séc XVI, extremamente árida com alta insolação e alta amplitude térmica. A sua principal sub-região é o Vales Calchaquíes, na verdade é errônea essa denominação no plural, já que trata-se apenas de um rio, mas a tradição se manteve e o nome foi preservado. Também nessa área encontra-se: Cafayete, Colomé e Yacochuya. As principais castas: Torrontés, Malbec, Cabernet Sauvignon e Tannat.

Catamarca
Uma região pequena com recente tradição para os vinhos finos, tem irrigação do Rio Abucán. As suas principais castas são: Torrontés, Syrah e Cabernet Sauvignon.

REGIÃO DE CUYO

La Rioja
O vale está entre as montanhas da Serra de Velasco e Serra da Famatima, o clime é árido e seco com ventos fortes, possui alta amplitude térmica e o solo é de alivião, muito salino. Algumas sub-regiões conhecidas: Nonogasta, Chilecito, Famatima e Antinarco. A principal uva é a Torrontés. A região é conhecida pelas inovações tecnológicas na irrigação do vinhedo e na produção do vinho.

San Juan
É a segunda região que mais produz vinho e a mais quente de todas com solos arenosos e argilosos. Possui uma porção de vales, entre ele os mais importantes: Tulum (às margens do Rio San Juan), Ullum-Zonda, Calingasta, Jáchal, Iglesia e Fértil. As uvas cultivadas são diferentes das existentes em todo o país entre elas: Bonarda, Greco Nero, Moscatel de Alexandria, Pedro Jiménez, além das tradicionais Cabernet Sauvignon, Syrah, Merlot, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc e Viognier.

Mendoza
É a mais importante das províncias vitivinícolas da Argentina, com 75% de toda a produção vinícola no país, possui 146.000 hectares de vinhedo. A sua indústria está cada vez mais orientada na busca da qualidade e na maior expressão entre variedades e terroirs. Com certeza, possui uma diversidade invejável pois os terroirs são muito diferentes entre si e cada um com sua própria identidade, composição do solo e altitude. A região pode ser dividida em cinco grandes zonas, ou sub-regiões.

Norte de Mendoza
Abrange os departamentos de Lavalle, Maipu, Guaymallen, Las Heras e San Martin. É uma zona mais baixa irrigada pelo Rio Mendoza, possui declives suaves e onde predominam os solos arenosos de areias finas. A região é adaptada para a produção de vinhos brancos como o Chardonnay, Sauvignon Blanc, Chenin Blanc, Ugni Blanc e Torrontés. Já as variedades tintas temos: Syrah, Cabernet Sauvignon, Malbec e Bonarda.

Leste de Mendoza
O leste mendocino é a área mais poderosa considerando a quantidade de vinícolas ali localizadas, apresenta diferenças substanciais de clima, solo e temperatura. Compreende os departamentos de Junin, Portland, San Martín, La Paz e Santa Rosa. Nas áreas mais próximas a Mendoza, os solos têm pouca capacidade para drenar a água, mas no departamento de Santa Rosa e Cebu, localizados ao leste, encontramos típico clima deserto, com um solo arenoso que não retém água. Além disso, esta área possui uma grande amplitude térmica. No leste se cultivam todas as variedades, mas as de maior expressão são: Chardonnay, Sauvignon Blanc, Chenin, Torrontés e Viognier e a Sangiovese, Syarh, Bonarda e Tempranillo, entre as tintas.

Rio Mendoza
Os departamentos de Lujan de Cuyo e Maipu são considerados as regiões mais antigas e tradicionais na produção vitivinícola, também conhecida como a "zona pioneira" dos vinhos argentinos. Tal denominação não é por acaso, pois os seus rótulos estão entre os melhores na produção do país. A sua localização privilegiada ao sul da cidade de Mendoza, em alturas ideais e sobre os melhores solos da província, contribuiu significativamente para esse propósito. Sua altitude varia de 650 m para 1060 acima do nível do mar. A casta mais característica a Malbec, produz o vinho mais emblemáticas da região. Também são encontradas variedades Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah e Pinot Negro. Entre os brancos a Chardonnay e Sauvignon Blanc.

Valle de Uco
Essa região junto com Rio Mendoza têm despertado maior interesse para os investimentos estrangeiros que entraram no país desde 1990. Esta área atinge as maiores altitudes da província: até 1.400 m acima do nível do mar. Os seus departamentos são: Tupungato, Tunuyán e San Carlos. Especializada em produzir vinhos de longa guarda devido a excelência na produção vinícola. As principais uvas: Semillón, Chardonnay, Malbec, Cabernet Sauvignon, Merlot, Tempranillo e Syrah.
Sul de Mendoza
Está localizado entre 34,5º e 35º de latitude sul e inclui os departamentos de San Rafael e General Alvear. A região decresce de 800 metros acima do nível do mar, a 450 metros. É a principal produtora da uva Chenin Blanc, além da e uvas Chardonnay, Malbec, Sauvignon, Merlot e Cabernet Sauvignon.

PATAGÔNIA

Neuquén
É o pólo de viticultura que mais cresceu nos últimos tempos localiza-se na latitude mais afastada ao sul no paralelo 40º, zona fria com ventos fortes e baixa altitude comparada com o resto do país. As principais cepas: Malbec, Merlot, Cabernet Sauvignon, Pinot Noir, Syrah, Chardonnay, Sauvignon Blanc e Semillón.

Rio Negro
Localizado no vale do rio com o mesmo nome possui a temperatura média de 15ºC. Destaca-se a produção de Pinot Noir e Merlot, mas também cultiva-se o Cabernet Franc e a Semillón.
Bibliografia: Wines of Argentina

Um comentário:

André disse...

Eu sou fã de um bom Malbec! Muito bom esse post!